Orçamento Aqui!

Televendas: (62) 4006.8888

As fábricas de carros que fizeram (e fazem) tratores

Por brunosousa em 17 dezembro, 2017

Não é só a Lamborghini: Ford, Mitsubishi, Fiat e até a Porsche já investiram no setor agrícola

Um Lamborghini com design assinado por Giugiaro? Sim. Quem disse que precisa ser um superesportivo? (Lamborghini/Divulgação)

Produzir tratores não é uma atividade tão incomum para as fabricantes de automóveis, ainda que isso soe estranho. Alguns fizeram o caminho oposto, como Ferruccio Lamborghini.

O italiano era um fazendeiro que construiu parte de seu império construindo máquinas agrícolas até o dia em que procurou Enzo Ferrari em busca de ajuda.

A visita era para reclamar de um problema na embreagem de sua 250 GT. O episódio, no entanto, tornou-se o incentivo para Ferruccio se aventurar no mundo dos carros, graças ao tratamento hostil dado por Ferrari (o commendatore, não a empresa) a seu cliente.

Esse capítulo é famoso na história da Lambo. Mas a empresa não é a única que vende tanto automóveis quanto tratores. Separamos abaixo exemplos de fabricantes que talvez você nem imaginava que já produziram (ou ainda produzem) máquinas agrícolas.

Ford

O Model F compartilhava vários componentes com o Model T, o primeiro automóvel fabricado em série da Ford (Pinterest – reprodução/Internet)

A Ford foi uma das primeiras fabricantes de tratores movidos a gasolina. Seu primeiro modelo, o Model F, surgiu em 1917, época na qual a empresa ainda se chamava Fordson.

Sabiamente, a marca aproveitou boa parte dos conceitos de produção em massa aplicados nos automóveis em sua linha de montagem de tratores.

O Model F usava um motor de quatro cilindros em linha com 20 cv bastante semelhante ao do Model T na concepção. Um de seus grandes diferenciais era a possibilidade de rodar com querosene, gasolina e até etanol no tanque.

A fusão com a Ford Motor Company fez a empresa crescer. O 8N trazia evoluções como pedal de embreagem do lado esquerdo e um painel mais completo com tacômetro, hodômetro e relógio.

Lançado em 1939, o 9N foi uma revolução na história da Fordson, trazendo itens e características adotadas na maioria dos tratores apenas nos anos seguintes. Alguns exemplos eram o sistema de engate de três pontos e o fácil acesso aos principais componentes para manutenção.

O 8N tinha transmissão de quatro marchas e pedal de embreagem do lado esquerdo (reprodução/Internet)

Enquanto isso, no Brasil, a Ford revelou seu primeiro trator em dezembro de 1960. O 8 BR tinha um índice de nacionalização de 70% e vinha com um motor de 56 cv, sistema de levantamento hidráulico para implementos e bitola ajustável. A pintura nas cores verde e amarela fazia referência à produção nacional.

A decoração nas cores verde e amarela fazia alusão à produção nacional do 8 BR (reprodução/Internet)

Mesmo diante dos bons resultados (o 8 BR chegou a ser o segundo trator mais vendido do país), a Ford encerrou sua produção em 1967 após 12.443 unidades. A marca só retomou a fabricação no Brasil em 1974, quando ergueu uma nova fábrica em São Bernardo do Campo (SP) para lançar as séries 4.000 e 6.000 no ano seguinte.

Os modelos 4.600 e 6.600 tinham tração 4×2 e transmissão com oito marchas à frente e duas a ré. Haviam duas opções de motorização movidas a diesel, com 63 cv ou 75 cv.

As boas vendas motivaram a Ford a mostrar novidades para 1976: o 6.600 ganhou um motor de 4.392 cm3 com 85 cv, enquanto o 5.600 aproveitava o antigo motor 4.2 de 79 cv do 6.600.

A Ford chegou a liderar as vendas de tratores no Brasil nos anos 80 (Ford/Divulgação)

Nem a crise que afetava praticamente toda a indústria abalou a Ford, que teve seu melhor ano em 1981, quando produziu 14.105 unidades. A recessão piorou nos anos seguintes e, em 1983, a Ford produziu apenas 3.345 unidades. Até 1984, a marca lançou novos modelos, incluindo a renovada Série 10, que tinha um trator 4×4 equipado com motor de 6 cilindros (6.578 cm3 e 118 cv) e câmbio de 16 marchas à frente e 4 a ré.

Naquele mesmo ano, a Ford adquiriu a Spare-Holland, dando origem à Ford New Holland. A nova empresa seria comprada pela Fiat em 1991, resultando na Case New Holland – atualmente conhecida apenas como CNH. Era o fim da linha para a Ford no segmento de tratores.

Lamborghini

Carioca era movido a diesel, mas tinha um sistema de partida do motor que utilizava gasolina (reprodução/Internet)

Ferruccio Lamborghini fez fama e fortuna produzindo superesportivos cobiçados no mundo todo, como a Aventador e a Huracán. Mas nem sempre foi assim. O fazendeiro começou sua carreira de empresário fazendo tratores logo após a Segunda Guerra Mundial.

Ferruccio só se aventuraria no mundo dos automóveis em 1963, quando a Lamborghini Trattori já era bem rentável. Some a isso o suposto fato de Enzo Ferrari ter desdenhado do empresário após Ferruccio se queixar de um problema na embreagem de sua Ferrari 250 GT e você entenderá como a Lamborghini Automobili S.p.A nasceu.

Bem antes disso, a Lamborghini Trattori S.p.A nasceu em 1948 e seu primeiro modelo foi curiosamente batizado de Carioca.

Ele trazia uma tecnologia inovadora que dava a partida com gasolina e só aí mudava o combustível utilizado para diesel – quase como um reservatório de partida a frio dos carros flex.

O L 33 surgiu em 1951 e foi o primeiro trator inteiramente projetado pela Lamborghini, com exceção do motor – um 3.5 de seis cilindros em linha fornecido pela inglesa Morris.

Os anos seguintes representaram um salto de evolução para a empresa. Em 1952, a marca lançou, de uma só vez, os modelos DL 15, DL 20, DL 25 e DL 30.

O primeiro trator com esteiras no lugar das rodas foi a DL 25 C, substituída pouco tempo depois pela DL 30 C – pintado na característica cor amarela que também seria adotada nos superesportivos posteriormente.

A Lamborghinetta era um dos tratores mais famosos produzidos pela marca no fim dos anos 50 (reprodução/Internet)

A Lamborghinetta estreou em 1957, cinco anos antes de a empresa lançar modelos com tração nas quatro rodas e motor refrigerado a ar.

Precisa de um Lamborghini para andar na fazenda? O Spire pode ser a solução (Lamborghini/Divulgação)

A empresa investiu pesado em novas tecnologias no fim dos anos 60. Os tratores da Lamborghini foram os primeiros da Itália a utilizarem transmissões com marchas sincronizadas e motores mais potentes.

Uma joint-venture com a SAME (outra gigante do setor de máquinas agrícolas da Itália) aconteceu em 1973 e uma nova linha de tratores surgiu uma década depois, trazendo novos motores refrigerados a água. Aprimorações na injeção eletrônica e na central eletrônica ocorreram nos anos seguintes.

O Nitro venceu vários prêmios da indústria de máquinas agrícolas na Europa (Lamborghini/Divulgação)

As décadas seguintes foram marcadas por lançamentos de tratores menores e mais ágeis. Um dos projetos mais bem sucedidos foi o Nitro, apresentado em 2013. Foi graças à ele que a Lamborghini Trattori venceu diversos prêmios do setor de máquinas.

Mitsubishi

Feitos para uso em fazendas menores, os tratores da Mitsubishi são mais compactos (reprodução/Internet)

A Mitsubishi nunca produziu apenas automóveis de passeio. Ela é um enorme conglomerado que faz praticamente de tudo, de lápis a televisores e de geradores de energia a… tratores.

A divisão de máquinas agrícolas surgiu em 1980, quando a empresa adquiriu a Satoh Agricultural Machinery e fundou a Mitsubishi Agricultural Machinery.

Os tratores da Mitsubishi foram vendidos por um breve período nos Estados Unidos sob a marca Cub Cadet.

A maioria dos modelos produzidos atualmente são destinados ao mercado da Ásia, onde as propriedades são menores. Por lá, a empresa também fabrica colheitadeiras e equipamentos para colheita de arroz.

Porsche

Além de robustos, os tratores da Porsche eram bonitos (reprodução/Internet)

Ferdinand Porsche era um homem inquieto. Não bastasse fabricar automóveis de passeio, o engenheiro também ousou produzir um trator acessível para as massas.

Vários protótipos foram feitos em 1937, mas o projeto foi arquivado devido à Segunda Guerra Mundial. Apenas em 1957 é que a Porsche produziu seu primeiro trator nas versões Junior (14 cv), Standard (25 cv), Super (38 cv) e Master (50 cv).

O motor do Super era refrigerado a ar e tinha 38 cv (reprodução/Internet)

Mais de 10 mil unidades foram vendidas no primeiro ano. O sucesso fez a marca investir pesado no segmento, lançando modelos robustos e com design atraente – algo incomum na categoria de máquinas agrícolas.

Outro diferencial era a motorização a diesel refrigerada a ar, mais eficientes e duráveis do que os motores da época.

Entre 1956 e 1963, a Porsche vendeu aproximadamente 125 mil tratores na Europa e nos Estados Unidos. Os poucos exemplares sobreviventes são disputados a tapa por colecionadores de automóveis Porsche e de tratores.

Apesar da vida curta, os tratores Porsche se tornaram ícones da história da marca, estrelando um comercial de serviços de pós-venda (assista abaixo) e até virando estampa de camiseta da Adidas.

 

Camiseta da Porsche Design feita pela Adidas tinha o trator como tema (Adidas/Divulgação)

Fiat/Case New Holland

O 702 foi o primeiro trator vendido pela Fiat, em 1918 (reprodução/Internet)

A Fiat Trattori S.p.A surgiu em 1919, um ano após o lançamento do Fiat 702. O trator de 30 cv foi substituído pelos mais modernos 702 e 703, fazendo a empresa atingir a marca de 2.000 unidades produzidas até 1925.

O ritmo de crescimento da empresa era frenético. Em 1929, a Fiat já produzia mais de 1.000 tratores por ano. Três anos depois, a marca lançava sua primeira escavadeira, a 700C.

O 700C foi o primeiro trator com esteiras no lugar das rodas (reprodução/Internet)

Em 1939, a Fiat lançava o 40 Boghetto, popularmente conhecido como Cingolato. O modelo levava o sobrenome de Fortunato Boghetto, inventor de um engenhoso sistema que permitia o funcionamento do motor com qualquer combustível entre etanol, querosene, diesel, gasolina e gás natural).

O Cingolato trazia um sistema que permitia abastecê-lo com vários tipos de combustível (reprodução/Internet)

A produção foi suspensa em 1944 devido à falta de matéria prima e à ocupação dos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Mesmo assim, os italianos desenvolveram um projeto secreto sem o conhecimento dos alemães.

Era o Fiat 50, um trator com esteiras no lugar das rodas que começou a ser produzido no pós-Guerra, em 1946.

O 25 R trouxe a cor laranja à linha de tratores da Fiat (reprodução/Internet)

O Fiat 25R foi um dos marcos da história da Fiat no segmento de tratores. Identificado pela cor laranja (que seria adotada nos projetos da marca até 1983), o modelo estabeleceu a Fiat no mercado de máquinas agrícolas na Europa e vendeu quase 45 mil unidades. Em 1957, o FIAT 18 estreava para se tornar o trator mais vendido dos anos 50.

A década de 1960 viu o lançamento de vários modelos sob a marca OM, adquirida pela Fiat nos anos 30. Nos anos 70, a Fiat promoveu uma renovação em toda sua linha, rebatizando versões e aumentando a potência dos motores.

Um dos modelos mais populares (e inusitados) era o 880, que tinha uma cabine desenhada pelos estúdios Pininfarina.

A cabine do 880 foi desenhada pelos estúdios Pininfarina (reprodução/Internet)

Em 1974, a Fiat se juntou à American Allis-Chalmers para criar a Fiat-Allis, uma empresa especializada na produção de tratores de esteiras e escavadeiras que atuou no Brasil, Estados Unidos e Itália.

Três anos depois, a Fiat adquiriu a Hesston (líder em colheitadeiras nos EUA) e a Agrifull, empresa italiana especializada em tratores pequenos. Nascia aí a FiatAgri.

A FiatAllis produziu tratores no Brasil com a marca da Fiat (reprodução/Internet)

O ano de 1982 marcou a chegada da Series 66, formada por tratores com 45 a 81 cv conhecidos por sua capacidade de realizar tarefas com relativa facilidade em fazendas de pequeno e médio portes. A série 90 surgiu em 1984, formada por vários modelos divididos em duas subcategorias – sendo a mais potente delas movida pelo novo motor Fiat-Iveco 8.000.

A década de 1990 trouxe inovações à linha de tratores, como o Steering-o-matic, uma espécie de joystick que substituia os antigos pedais responsáveis por direcionar o trator.

Em 1993, a Fiat adquiriu a Ford Tractors (fundada pela montadora de automóveis como Fordson em 1917) , que já havia comprado a New Holland, uma empresa de equipamentos de forragem, alguns anos antes.

A Fiat Trattori se tornaria a Case New Holland (atualmente rebatizada como CNH), uma empresa sediada em Turim, na Itália, e presente em mais de 170 países.

A New Holland está no Brasil há mais de 40 anos (New Holland/Divulgação)

 

Fonte: Artigo extraído do site da Quatro Rodas por Victor Matsubara